A Hanseníase, também conhecida como doença de Hansen ou “Lepra” (nomenclatura pejorativa), é uma infecção lenta, progressiva e crônica causada pela bactéria Mycobacterium leprae. Para se ter ideia, ela pode levar até 20 anos para desenvolver seus primeiros sintomas.

Esse quadro costuma afetar os nervos periféricos (externos ao cérebro e medula espinhal), a pele, os olhos e as mucosas nasais. Quando a bactéria ataca os nervos, eles se inflamam, fazendo com que as áreas afetadas percam a sensibilidade ao toque e à dor, o que aumenta o risco de acidentes e traumatismos nos locais acometidos.

Se não tratada, essa doença pode resultar em paralisia das mãos e pés e, em casos muito avançados, na perda dos membros. Além disso, pode desfigurar o paciente, principalmente quando os nervos faciais são acometidos, e ainda provocar úlceras e cegueira.

Por fim, a hanseníase já foi temida por muita gente, e considerada uma doença altamente contagiosa e devastadora. Porém, ao contrário do que muitos pensam, ela não se espalha tão facilmente assim e seu tratamento, quando seguido à risca, é muito eficaz.

Para saber tudo sobre a doença de Hansen, continue comigo!

Como a hanseníase é transmitida?

Não se sabe exatamente como essa doença se espalha entre as pessoas. Atualmente, várias pesquisas e experimentos indicam que a transmissão da Hanseníase pode acontecer por meio do contato/inalação das gotículas de saliva de uma pessoa infectada pela Mycobacterium leprae.

Não é possível contrair Hanseníase ao:

  • apertar as mãos da pessoa doente, ou abraçá-la;
  • sentar-se do lado de uma pessoa que tenha essa doença;
  • a doença de Hansen também não é transmitida da mãe para o bebê durante a gestação.

Os tipos de hanseníase

A doença de Hansen pode se apresentar de três formas:

1. Tuberculóide (ou paucibacilar)

É o tipo menos grave e pouco contagioso de hanseníase. os pacientes apresentam manchas na pele, planas e de cor branca. A região afetada pode, ainda, ficar dormente por causa dos danos causados aos nervos periféricos.

2. Lepromatosa (ou multibacilar)

É o tipo mais grave e contagiosa da doença. Apresenta-se na forma de inchaços e erupções cutâneas generalizadas, dormência e fraqueza muscular. O nariz e os órgãos reprodutores masculinos são comumente afetados.

3. Borderline (ou dimorfa)

As pessoas com esse tipo de hanseníase apresentam sintomas das formas tuberculóide e lepromatosa.

Sinais e sintomas

A Hanseníase afeta, principalmente, a pele, os nervos e as membranas mucosas. Os sinais e sintomas mais comuns incluem:

  • sensação de queimação na pele;
  • manchas brancas pelo corpo, geralmente planas, que podem apresentar dormência, ou não;
  • crescimentos de nódulos na pele;
  • pele seca e endurecida;
  • úlceras indolores nas solas dos pés;
  • inchaço indolor ou caroços no rosto ou lóbulos das orelhas;
  • perda de sobrancelhas ou cílios;
  • dormência das áreas afetadas;
  • fraqueza ou paralisia muscular (especialmente nas mãos e pés);
  • nervos espessados (principalmente aqueles ao redor do cotovelo e joelho, e nas laterais do pescoço);
  • cegueira;
  • nariz “entupido”;
  • sangramentos nasais.

Diagnóstico

A detecção da hanseníase ocorre por meio de exame físico. Como complemento, pode ser necessária uma biópsia, na qual é removido um pequeno pedaço de pele ou nervo para análise.

A Hanseníase tem cura?

A resposta é sim. Porém, vale ressaltar que a forma de tratamento vai depender do tipo de hanseníase que o paciente possui. São usados antibióticos durante um período prolongado, geralmente de seis meses a um ano.

E aí, você está com alguma mancha branca na pele e acha que pode ser hanseníase? Basta marcar uma consulta comigo clicando aqui que, juntos, vamos encontrar a melhor forma de tratar, combinado?

Fábio Gontijo - Doctoralia.com.br

CNPJ: 25.188.672/0001-01

Todos os direitos reservados a Clínica Fábio Gontijo. Desenvolvido por Agência Salt.